data/documents/storedDocuments/{334263AD-A534-4B0E-AD1D-363427828AB4}/{73F17C2B-4A61-458C-AF49-76E7575B2807}/MJ.gif
Reforma do Judiciário
pixel
Quarta-feira, 17 de outubro de 2012
pixel
pixel

pixel
pixel
  Institucional
  Ações
 Mapa de Ações
 Acesso à Justiça
 Alterações legislativas
 Assistência ao Preso
 Força Nacional da Defensoria
 Capacitação de Operadores
 Efetivação Lei Maria da Penha
 Justiça Comunitária
 Modernização da gestão
 Pesquisa/Diagnóstico
 Projeto Pacificar
  Pacto Republicano
 Ação Civil Pública
  Reforma Constitucional
 Controle externo
 Ingresso nas carreiras
 Crimes contra D. Humanos
 Quarentena
 Defensorias Públicas
  Projetos Infraconstitucionais
 Alterações P. Trabalhista
 Alterações Processo Civil
 Alterações Processo Penal
 Emenda Constitucional
 Projetos sugeridos
  Provimento e Vacância
 Fluxograma
 Processos de Provimento
 Processo de Vacância
 Processos concluídos
 Publicadas
 Tramitação/Andamento
 Requisitos legais
  Banco de Iniciativas
 Acesso à Justiça
 Agilidade Processual
 Conciliação
 Informatização
pixel
pixel
  Serviços
Clipping
Entrevista
Estrutura
Eventos
Licitação
Links
Mapa
Notícias
Publicações
Seleção de consultores
pixel
pixel
pixel
pixel
Reforma do Judiciário » Institucional
pixel
pixel
pixel
pixel

Institucional

A Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça foi criada com o objetivo de promover, coordenar, sistematizar e angariar propostas referentes à reforma do Judiciário. Tem como papel principal ser um órgão de articulação entre o Executivo, o Judiciário, o Legislativo, o Ministério Público, governos estaduais, entidades da sociedade civil e organismos internacionais com o objetivo de propor e difundir ações e projetos de aperfeiçoamento do Poder Judiciário. Esta articulação acontece em relação a propostas de modernização da gestão do Judiciário e em relação à reforma constitucional e outras alterações legislativas em tramitação no Congresso Nacional.

A secretaria reflete uma prioridade do governo Luiz Inácio Lula da Silva e tem origem na avaliação de que é necessário aperfeiçoar o funcionamento do Poder Judiciário para que ele seja mais rápido, ágil e eficiente e para que a Justiça seja acessível à população brasileira.

A ampliação do acesso à Justiça para todos os brasileiros pode ser alcançada com o estímulo a uma série de medidas. Juizados Especiais Estaduais e Federais devem ser fortalecidos e aprimorados, por representarem uma alternativa eficiente de solução de litígios.  O mesmo pode ser dito dos Juizados itinerantes e dos Centros Integrados de Cidadania, que levam o acesso à justiça até o cidadão mais carente, democratizando seu acesso. Também é necessária a institucionalização efetiva da Defensoria Pública da União e dos Estados, para que este órgão seja outro elemento de aproximação da Justiça com a população menos abastada. Os meios alternativos de resolução de conflitos também são uma importante ferramenta para a construção de uma autentica política de democratização do sistema de Justiça.

A partir do ano de 2008, além de prosseguir propondo e acompanhando as mudanças legislativas visando estabelecer estratégias para tornar o Sistema de Justiça mais democrático, rápido, eficiente e transparente, a Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça passará a atuar também diretamente na execução de ações voltadas a promover a democratização do acesso à Justiça no Brasil.

Através do trabalho articulado e integrado com o Programa Nacional de Segurança com Cidadania – Pronasci - espera-se contribuir, de forma decisiva, para a inclusão dos milhões de cidadãos brasileiros que se encontram à margem do sistema de justiça. As ações propostas pela SRJ ao Pronasci apontam no sentido do fortalecimento do Estado Democrático de Direito e de seu caráter republicano. 

 No Pronasci a Secretaria de Reforma do Judiciário estará responsabilizada por 04 (quatro) ações:

1) Efetivação da Lei nº 11.340, conhecida como “Maria da Penha”: Tem como objetivo o combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. O propósito é fortalecer a rede de atendimento à mulher em situação de violência através da criação e estruturação de Juizados especiais de combate à violência doméstica e familiar, do fortalecimento e expansão dos núcleos especializados da defensoria Pública, dos Centros de Referencia e das Delegacias da Mulher. Neste último caso, espera-se atuar, principalmente, na qualificação dos agentes de segurança envolvidos na rede de atendimento da polícia civil e militar sobre a questão do gênero.

2) Justiça Comunitária: buscará formar agentes comunitários para a informação acerca de direitos e o uso da mediação na resolução de conflitos. Espera-se ainda organizar a triagem de demandas para encaminhamento à rede de serviço público e órgãos da Justiça.  A proposta de formação de NÚCLEOS DA JUSTIÇA COMUNITÁRIA tem como referencia a experiência exitosa do Programa Justiça Comunitária, vinculada ao tribunal de Justiça do DF. Trata-se de um programa de empoderamento social combinado com ativação da cidadania no desenvolvimento de meios alternativos de resolução de conflitos, através da mediação comunitária. 

 3) Assistência Jurídica Integral aos Presos e Familiares: Buscará assegurar a assistência jurídica integral e gratuita aos encarcerados, já que o PRONASCI tem como um de seus focos o sistema prisional brasileiro. A assistência jurídica a ser criada e/ou reforçada em Núcleos Especializados das Defensorias Públicas Estaduais atuará no monitoramento e avaliação para fins de mudança de regime dos presos e efetivação da liberdade pelo cumprimento da pena, além de uma supervisão da gestão carcerária para evitar situações de desrespeito de direitos humanos ou favorecimento de grupos internos das casas prisionais. A ação contemplará ainda o apoio e orientação à família do preso para inclusão em políticas sociais de proteção e assistência social, econômica e profissional, face ao grau de vulnerabilidade decorrente da prisão de membro familiar. Incluem-se, ainda, na assistência as questões extra penais, como de direito civil, previdenciário, etc. Ao mesmo tempo, em ação integrada com a Defensoria Pública da União receberão apoio para as demandas junto a Justiça Federal, em especial a orientação e encaminhamento de benefícios sociais, como o auxílio reclusão.

4) Capacitação em Direitos Humanos e Mediação para profissionais do Direito: Esta última ação objetiva formar parceria com as Escolas Superiores para capacitação de profissionais do sistema de justiça (membro Poder Judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública) em temas de direitos humanos e mediação pacífica de conflitos.

 

pixel
pixel
pixel
pixel
Busca
Ok
Buscar somente no tema Reforma do Judiciário
pixel
pixel
Meus Dados
pixel
pixel
Banner de ligação com o Tire suas Dúvidas
pixel
pixel
pixel
pixel
pixel
pixel
pixel
Retorna Sobe

 © 2007 Ministério da Justiça